Dicas O que vender na internet: vale a pena abrir um e-commerce?

O que vender na internet: vale a pena abrir um e-commerce?

Por Aline Truchetti em 13 de fevereiro de 2020

Se você ainda não sabe o que vender na internet ou tem dúvidas sobre abrir um e-commerce, neste artigo revelamos quais produtos caíram no gosto do consumidor e que poderão gerar um retorno favorável.

Com a tecnologia avançando a largos passos, estar presente no meio on-line é praticamente uma exigência para o estilo de vida atual.

Estar conectado se tornou indispensável para uma grande parcela da população, que hoje vive a um clique de distância de tudo que supra suas necessidades.

Desde o uso de aplicativos que nos lembrem de beber água, seguimos até o consumo de produtos em geral, portanto, esses aparelhos digitais passaram a nos acompanhar em todas as tarefas do nosso dia a dia.

Dito isso, ainda lá atrás, empresários e comerciantes viram uma oportunidade e começaram a investir em e-commerce.

Como sabemos, não demorou muito para que os consumidores se apaixonassem pela praticidade da compra e agilidade no recebimento da mercadoria.

Assim, para gerar ainda mais conforto e continuar conquistando os corações dos clientes, este mercado se mantem evoluindo.

E se você também deseja conquistar uma fatia desses consumidores e ingressar de cabeça neste meio, estamos aqui para te ajudar.

Nos próximos tópicos vamos revelar quais são os produtos que valem o investimento, por isso, fique com a gente e aproveite a leitura!

O que vender na internet?

Ao inserir o começo dessa frase no Google, percebemos que esta é uma das principais dúvidas de quem é novo no comércio eletrônico e pretende iniciar suas atividades no meio on-line – pode fazer o teste!

Diante disso, analisamos as pesquisas mais recentes divulgadas sobre o comportamento do consumidor e sua jornada de compra, para chegarmos o mais próximo de uma resposta concreta e assertiva.

Os artigos com as pesquisas, você pode acessar aqui:

Em ambos os estudos, observamos algo em comum: o aumento no número de consumo de bens não-duráveis.

Mesmo os eletrônicos levando uma boa porcentagem dos compradores e ficando em segundo lugar com 19,7% do total, os produtos de beleza (32,4%) e moda e acessórios (14,8%), ainda se tornaram a escolha majoritária, somando 47,2%.

Também estão na lista: bebidas, alimentos, viagens e lazer, eletrodomésticos e outros, entretanto, a soma dos bens não duráveis ultrapassou 60% das vendas, comparando com os bem duráveis.

Bens não-duráveis ➡ Bens duráveis

Infográfico de bens duráveis e não-duráveis para vender na internet
A soma das vendas de bens não-duráveis superou todas as outras opções

Ficou curioso para mais? Abaixo explicaremos o que e quais são esses bens, continue!

O que são bens duráveis e não-duráveis

Como o nome nos diz, os bens duráveis são aqueles com expectativa de vida útil maior, que poderão ser usados por um período mais longo, permanecendo conservado por mais tempo, como carros, motos, TVs, geladeiras e outros.

Já os não-duráveis são aqueles de consumo imediato ou que exigirão a compra de outro em pouco tempo, por exemplo, maquiagens, roupas, acessórios, medicamentos e tantos outros.

Agora que você compreendeu a definição de cada um, vamos descobrir o que vender na internet e como fazer isso.

Acompanhe!

Tire proveito das tendências

Ter noção das tendências de consumo é um grande passo para tomada de decisões efetivas, por isso, ressaltamos a importância em sondar o mercado e ponderar todas as possibilidades.

Dando sequência ao que mostrou as pesquisas, chegamos ao conhecimento do potencial e amadurecimento dos produtos de bens não-duráveis.

Focaremos nesta tendência!

Porém, existem diversas opções dentro dos bens não-duráveis, por isso, temos que secar ainda mais essa lista, até chegarmos aos produtos que serão comercializados.

Veja como no decorrer do artigo!

Nicho, Nicho específico e Micro nicho

Inicialmente, não é interessante que você queira abraçar o mundo, por isso, para que tudo colabore para o sucesso da sua loja, é fundamental que outras medidas sejam tomadas.

Depois de descobrir as tendências de consumo, é hora de estabelecer qual o nicho que sua loja seguirá, ou seja, qual será seu ramo de atuação.

Por exemplo, nós concluímos que a loja venderá “produtos de beleza” – este será o nicho do nosso e-commerce.

Contudo, esta ainda é uma condição muito ampla, por isso, é necessário enxugar um pouco mais essa seleção.

Partiremos ao nicho específico, e responderemos perguntas como: quais produtos serão vendidos? Para homens ou mulheres? Quais os preços desses produtos?

Conforme apontam as pesquisas, as mulheres foram responsáveis por 84% do consumo de produtos para beleza, finalizamos então, a segunda parte dessa segmentação: “produtos de beleza para mulheres”.

Ainda está bem abrangente, não acha?

Vamos ao micro nicho: “produtos femininos para hidratação do rosto.”

Ufa! Agora sim, acho que conseguimos segmentar bem nossa categoria.

Observe que ao chegar no micro nicho, as visitas em nossa loja serão reduzidas, isso acontece porque quanto mais especificamos um produto, mais segmentado fica o nosso público.

Aliás, essa atitude resultará em uma taxa de conversão muito mais alta e as chances de finalizar vendas e fidelizar clientes também serão maiores.

Existe demanda para esse produto

Antes de prosseguir, você deve avaliar se existe demanda para a comercialização do produto escolhido.

Caso contrário, ele ficará estocado e juntando poeira, além de fazer com que você sofra um desgaste desnecessário e a perda do seu dinheiro.

E nós não queremos isso!

Para isso, você pode utilizar soluções gratuitas que estão disponíveis na internet, como o Google Trends, que mostra os principais termos de busca e o planejador de palavras-chave do Google, uma ferramenta do Google ADS.

Busque pelos termos que envolvem o seu mercado, assim você saberá se ele está tendo uma boa demanda de pesquisa.

Não existe um número mágico a ser descoberto, porém, os resultados que superam 500 buscas mensais devem ser considerados.

Atendendo a demanda

Um fator que também deve ser levado em conta, dentro desse contexto é se o produto atenderá a demanda.

Vamos supor que você atraiu um número significativo de consumidores, seu estoque será suficiente para quantidade os pedidos?

Por isso, é importante se organizar e buscar mais de um fornecedor, dessa forma, você não ficará refém desse problema.

Caso trabalhe com produtos artesanais, você também deve se atentar a esse aviso, ou seja, qual a escala de produção diária? Quais medidas devo tomar para atender todas as solicitações?

Essas são questões que devem ser resolvidas para que, logo de cara, sua loja não sofra com má reputação ou baixas avaliações.

Público-alvo

Chegou a hora de estudar o público-alvo.

Deixar de conhecê-lo será um grande erro, e isso influenciará diretamente nos resultados do seu negócio.

Neste momento você deve estar se perguntando: “Mas não íamos vender produtos de beleza femininos?”

Sim, e o que queremos dizer é que, da mesma forma passamos em cada fase de nichos, o público-alvo também precisa ser mais detalhado.

Sendo assim, já que o público-alvo é composto por pessoas que possuem características e interesses semelhantes, vamos em busca de informações básicas, como: idade, poder aquisitivo, classe social, localidade, ou seja, dados generalizados, mas que ao mesmo tempo caracterizam o público.

Observe:

“Mulheres entre 30 e 55 anos (idade em que começam a ser notadas linhas de expressão), de todo o Brasil (o e-commerce oferece entrega para todo o território nacional), com renda mínima de R$1.200 (poder aquisitivo que corresponda com os valores dos produtos oferecidos).”

Acabamos de determinar nosso público-alvo, assim, são para essas pessoas que iremos vender.

Conclusão

Afinal, o que vender na internet? Vale a pena abrir um e-commerce?

Essas são perguntas abrangentes e por isso, trouxemos esses fatos que te ajudarão nesta decisão.

Montar um e-commerce exige planejamento, esforço e muita dedicação e seu sucesso não surge do dia para a noite, mas com certeza é possível alcança-lo.

Esteja sempre de olho em todas as mudanças e tendências do mercado, já que com o rápido avanço da era digital, ele sofre alterações constantes.

Ah! E caso seu segmento não faça parte da lista de produtos que citamos, não se desespere, isso não significa que sua loja não tem futuro.

Para cada tipo de produto existe um público específico e ao seguir corretamente todas as etapas para atingir essas pessoas, você estará no caminho certo.

Porém, se você ainda não está, mas pretende embarcar nesta jornada, também já notou que se trata de um negócio promissor.

Todo mundo procura algo na internet, siga a lei da “procura e oferta”, descubra o que se encaixa na sua realidade, siga nossas dicas, arregace as mangas e bom trabalho!

E se você precisa de uma agência especialista no assunto, conheça nosso trabalho clicando aqui.

Comente, sugira e participe: