Desenvolvimento Principais linguagens de programação usadas na criação de um site

Principais linguagens de programação usadas na criação de um site

Por Bruno Ananias em 24 de outubro de 2017

Antes de apresentar quais são a principais ‘linguagens de programação‘ usadas na criação de um site precisamos entender o que significa o termo; logo, uma linguagem de programação é um método padronizado para comunicar instruções para um computador. É um conjunto de regras sintáticas e semânticas usadas para definir um programa de computador.

Conhecendo as principais linguagens de programação usadas no desenvolvimento web

 

1. Java

Lançada pela Sun Microsystems em 1995 — e atualmente parte do portfólio da Oracle —, é uma das linguagens de programação mais usadas no mundo, além de ser uma plataforma de desenvolvimento.

Trata-se de uma linguagem orientada a objetos e tem sido a mais usada para desenvolver aplicativos para dispositivos móveis que usam a plataforma Android. O Java também é muito popular no desenvolvimento web.

 

2. JavaScript

Grande parte das páginas web usa JavaScript. Criada para a Netscape em meados de 1995, inicialmente chamava-se LiveScript. Logo, porém, a Sun Microsystems se interessou por ela e entrou no seu desenvolvimento. Seu nome, então, foi mudado para JavaScript — por influência da Sun, criadora do Java.

Ela é responsável pelos scripts que fazem certos comportamentos funcionarem nos sites, como quando se passa o mouse sobre um item de menu e várias opções são exibidas, por exemplo. Ou seja, enquanto o HTML estrutura a página e o CSS a deixa bonita, o JavaScript a faz funcionar.

É importante ter em mente que JavaScript é diferente de Java — tanto no conceito quanto no uso. O JavaScript é uma linguagem processada pelo navegador web (client-side) e o Java é entendido e processado pelo servidor (server-side).

 

3. PHP

É a linguagem mais usada no back-end de sites. Quando foi criada, em 1994, significava Personal Home Page, mas agora é PHP Hypertext Preprocessor. Inicialmente, era um conjunto de binários escrito em C usado apenas para o acompanhamento de visitas ao currículo online de seu criador, Rasmus Lerdorf.

Em 1995, Lerdorf liberou seu código-fonte para o público e, assim, outros desenvolvedores passaram a usá-la e sugerir correções para bugs — o que ajudou a aperfeiçoá-la. Uma das suas grandes vantagens é ser uma linguagem muito simples para iniciantes. Além disso, é a linguagem de programação web mais usada para implementação de funções dinâmicas e complexas em websites e aplicações web.

É uma poderosa ferramenta, mas diferentemente do JavaScript tem seu código normalmente embutido no HTML e executado no servidor. Para o cliente, é enviado apenas o resultado em HTML puro — o que torna viável a interação com banco de dados e aplicações no servidor.

 

4. Python

Concebida no fim dos anos 80, veio para servir como uma linguagem para escrever programas intermediários, uma opção entre o C e o Shell Script. Como é uma plataforma livre e de código aberto, é usada por grandes empresas como Netflix, Google, Youtube e outras.

Foi criada no Centrum Wiskunde & Informatica (CWI, Centro de Matemática e Ciência da Computação), em Amsterdã, na Holanda, quando a linguagem ABC (criada no mesmo local) caiu em desuso. O Python foi fortemente inspirado nela. No fim de 1990, Python já era mais usada no CWI que a própria linguagem ABC.

Trata-se de uma linguagem multiplataforma que serve para quase tudo, ou seja, permite desenvolver aplicações para celulares, desktop e web, entre outros. Além disso, permite integrar diversos serviços e sistemas de forma rápida e eficaz.

 

5. Ruby

Ruby é uma linguagem originária do Japão, criada por Yukihiro Matsumoto, em 1993. A ideia inicial era criar uma linguagem mais poderosa que Perl e mais orientada a objetos que Python. Seu uso é totalmente livre.

É uma das linguagens de programação mais simples, elegantes e fáceis de aprender: fácil de programar, tem foco em produtividade, é poderosa e eficiente. Ficou famosa ao ser usada com o framework Rails (Ruby on Rails). A demanda por programadores Ruby tem crescido nos últimos anos.

 

6. HTML

Foi criado em 1991, por Tim Berners-Lee, no European Council for Nuclear Research (CERN, Organização Europeia para Pesquisa Nuclear), na Suíça. Inicialmente, foi projetado para interligar instituições de pesquisa próximas e compartilhar documentos com facilidade. No ano seguinte, em conjunto com a biblioteca de desenvolvimento World Wide Web (WWW), proporcionou o uso da web em escala mundial.

Não é uma linguagem de programação, mas uma linguagem de marcação. Em outras palavras, é um conjunto de regras e códigos que definem como os elementos da página devem ser exibidos. Conhecê-lo é básico para qualquer web designer.

Embora haja ferramentas que fazem todo o trabalho de estruturação das páginas em HTML, o profissional precisa entender como isso acontece para poder melhorá-las e corrigi-las quando necessário.

 

7. CSS

Depois que o HTML se tornou padrão da internet, foi necessário inserir imagens, cores e design avançado. Como a versão antiga não suportava isso, foram adicionadas novas tags. O problema veio com a necessidade de alterar, por exemplo, a cor de um link: se ele estivesse em 300 páginas diferentes, o trabalho era um por um, tag por tag.

Até que, em 1995, Håkon Wium Lie e Bert Bos apresentaram a proposta do Cascading Style Sheets (CSS). A ideia era usar HTML para estruturar o site e deixar a tarefa de apresentação para o CSS — disposto no próprio HTML demarcado por tags ou em um arquivo separado.

Em resumo, o CSS é usado em conjunto com o HTML para definir os estilos e o layout de documentos. Assim, enquanto o HTML serve para estruturar conteúdos, o CSS ajuda a formatá-los.

 

Bônus, mais linguagens e não para por aí!

As linguagens acima são as mais conhecidas, utilizadas pelos profissionais da Web e as mais estudas por quem deseja se tornar um programador. Porém existem algumas outras linguagens de programação que vale a pena conhecer:

C
C++
.NET
ASP
Perl

Quero ser um programador, por onde começo a ‘codar’?

Para entusiastas e profissionais que estão em busca de uma linguagem para estudar e se aprofundar é preciso saber que esta escolha depende de diversos fatores. O primeiro deles é definir o objetivo, o que você pretende fazer com ela? Pois sempre pode e irá existir uma ou mais opção que se adeque a necessidade e para quem está começando pode ficar um tanto quanto confuso dentre tantas opções.

Um dica, não existe uma linguagem de programação melhor que a outra, mas sim a mais adequada para determina solução, pois cada uma possui vantagens e desvantagens em relação as outra.

As linguagens de programação web são usadas para criação de sites, portais, aplicações e sistemas web em geral.

 

Qual o Mercado de trabalho para um programador?

Geralmente que começa aprender uma linguagem de programação é porque quer se especializar e se profissionalizar para conseguir uma colocação no mercado de trabalho, muitas vezes até conseguir o emprego dos sonhos, trabalhando com aquilo que gosta.

O mercado para programadores web proporciona sempre muitas possibilidades, é carente de profissionais capacitados e por isso geralmente a concorrência para as melhores oportunidades são acirradas.

Neste caso sim a escolha da linguagem de programação que você deseja se especializar pode fazer toda a diferença, a listagem que comentamos neste artigo representa as linguagens mais populares e que possuem uma demanda maior por profissionais qualificados.

E aí? Pronto para se tornar um grande programador?

Escolha sua linguagem de programação, se dedique, estude e mergulhe de cabeça neste grandioso mercado de TI.

Comente, sugira e participe: